sábado, 24 de fevereiro de 2018

AEGostoso escolhe nova direção para impulsionar o turismo local. Turismo cresce com AEGostoso forte



Por Emanuel Neri
Atenção empreendedores de São Miguel do Gostoso.
Chegou a hora de eleger uma nova diretoria para a AEGostoso (Associação de Empresários de São Miguel do Gostoso). A eleição está marcada para o próximo dia 27 (terça-feira), às 19h, durante assembléia no Centro de Cultura. Na segunda (26), 11h, encerra-se o prazo para inscrição de chapas.
Até agora existe pelo menos uma chapa, que é liderada por Carlos Campos, que trabalha com energia eólica (Serveng), mas que, em São Miguel do Gostoso, tem empresa de prestação de serviços. Neste sábado (24), começou-se a articular uma segunda chapa, liderada por Carlos Ferreira (Restaurante Jangadeiro). Mas ainda havia dúvidas sobre a formação da chapa completa.
Além de Carlos Campos, a chapa que se apresentou para disputar a direção da Aegostoso é composta por alguns nomes que já participam da atual diretoria. Entre eles estão João Scomparim, atual presidente, que passaria a ser diretor Financeiro, e Emir Dassouki, que ficará como diretor Adjunto.
Há alguns nomes novos, como o casal Francisco e Marilda Fortes, que estão instalando uma agência de turismo na cidade, nos cargos respectivos de diretor de Negócio e de Administração. Marcos Bohler será diretor de Comunicação. Há mais cinco nomes que compõem o Conselho Fiscal.
A AEGostoso tem um papel fundamental no desenvolvimento do turismo de São Miguel do Gostoso (foto acima, praia do Maceió). Com mais de 100 sócios, ela tem representatividade, mas enfrenta problema sério de adesão e participação dos associados nas decisões da entidade. Com isso, a AEGostoso fica sem respaldo para realizar suas ações.
Este foi um problema tão sério que, nos últimos tempos, chegou-se mesmo a ventilar a possibilidade do fechamento da AEGostoso. Isso seria péssimo para o desenvolvimento do turismo local. A AEGostoso é a entidade que representa o turismo local junto à Prefeitura, órgãos estaduais e nacionais,  e outras atividades de negócios.
Mas a importância da AEGostoso pesou na hora em que tudo parecia fracassar. Em assembleia em janeiro, decidiu-se criar uma comissão para conduzir o processo eleitoral e a escolha da nova direção. Liderada com habilidade por Ademar Almeida, da Pousada Chica Pitanga, achou-se o caminho para a sucessão.
Seja com quem estiver em sua direção, a AEGostoso tem que continuar – e ser forte. Mas é importante que a nova direção se paute por um plano de trabalho para impulsionar o turismo. O turismo gostosense é uma espécie de cadeia da atividade econômica local. Se o turismo cresce, muitas atividades econômicas também crescem.
Mas para isso é preciso definir qual o tipo de turismo (e de turistas) que se quer para São Miguel do Gostoso. João Scomparim, atual presidente, defende, junto com outros associados, que se defina um perfil que identifique em que pé está o nosso turismo e aonde ele quer chegar. Qual será o futuro do nosso turismo?
Um perfil turístico da cidade servirá de base para a montagem de um plano de planejamento estratégico. Só assim o turismo local – e toda a sua cadeia econômica – poderá dar um salto de qualidade. Quanto mais organizado, mais crescerá o turismo da cidade, criando mais renda e mais empregos para a população.
E é preciso também que a AEGostoso tenha força suficiente para defender medidas para que a Prefeitura prepare melhor a cidade para estes próximos anos. Há muitos problemas na cidade. Um deles é o trânsito sem controle nas ruas e nas praias da cidade. Outro é o surgimento de barracas de comércio em praias, como Tourinhos.
Se isso não for controlado, o turismo tende a fracassar.
Mas há muitos outros problemas a serem enfrentados pela nova direção da AEGostoso. Mas, para isso, é fundamental que a entidade conte com o apoio de seus associados.
E o primeiro passo desta nova batalha é a eleição para a escolha da nova diretoria, neste dia 27 de fevereiro. Todos devem participar deste processo de escolha da nova direção da AEGostoso.

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Exposição de artista plástica na Galeria ArteZero, Iasnin, destaca beleza de São Miguel do Gostoso



Por Emanuel Neri
Se você ama São Miguel do Gostoso, não pode deixar de visitar a nova exposição da Galeria ArteZero, que funciona no Iasnin (Instituto de Ação Social e Cidadania Nilo e Isabel Neri), no centro de São Miguel do Gostoso.
A exposição “Reverência ao Mar”, da artista plástica Rox, italiana que mora na cidade há oito anos, tem tudo para satisfazer o orgulho de quem ama São Miguel do Gostoso. Com certeza você não ficará indiferente diante do trabalho de Rox. São mais de dez telas, todas retratando a beleza do mar local (foto à esquerda). 
A galeria ArteZero e o Iasnin estão se transformando em um espaço de referência para as artes em São Miguel do Gostoso. Na semana passada, foi encerrada a exposição de fotos do premiadíssimo Alberto Ferreira  e do fotógrafo local Ariclenes Silva. A mostra ficou ali por dois meses.
Além de exposições de fotografia, já foram realizadas neste espaço mostras de pintura, designe e escultura. A cada mês haverá sempre uma nova exposição de arte naquele local.O objetivo é difundir arte e cultura para moradores e visitantes de São Miguel do Gostoso.
Agora chegou a vez da galeria ArteZero e do Iasnin exibirem o trabalho de Rox. Vá conhecer esta exposição. Veja como uma artista, que não nasceu no Brasil, manifesta uma incrível sensibilidade com a beleza de São Miguel do Gostoso. Esta exposição, aberta dia 2 de fevereiro, vai até o final deste mês.
Abaixo, leia comentário, que serve de apresentação para  quem visita a exposição, escrito pelo autor deste blog, que também dirige o Iasnin e a galeria ArteZero. A exposição, aberta no dia 2 de fevereiro, Dia de Iemanjá, vai até o final deste mês.
As Cores de São Miguel do Gostoso
Imagine uma cena em que alguém, durante horas a fio,  fotografa um único cenário. Dependendo da hora do dia, estas fotos têm cores e tonalidades diferentes, devido à luminosidade da hora em que as cenas são fotografadas.
Assim é o trabalho da artista plástica Rox, de origem italiana, que mora em São Miguel do Gostoso há oito anos.
Com uma diferença. Em vez de fotos, Rox pinta em madeira, com incrível sensibilidade, a imensidão da praia e do mar de São Miguel do Gostoso. Tudo depende da coloração do sol e da água do mar na hora do olhar de inspiração de Rox.
Se for pela manhã, a pintura sai mais brilhante, devido à intensidade do sol. Se for à tarde, a tonalidade do céu e do mar é mais alaranjada em função do pôr do sol. Se for no início da noite, dá para ver o mágico reflexo da lua sobre a água do mar.
A variação cromática nas telas da Rox é uma característica do trabalho desta habilidosa artista.
Além do branco da duna, pode-se notar neste belo trabalho a mudança de cores do mar de São Miguel do Gostoso. No início, você vê um mar com um verde mais escuro. Na sequência, observa águas com um verde mais claro para, no final da linha do mar, aparecer um azul anil intenso. Toda esta profusão de cores vai desaguar no azul mais claro do céu, já na linha do fundo do mar.
Assim é o mar de São Miguel do Gostoso.
Poucos artistas pintam São Miguel do Gostoso com tanta beleza. As telas da Rox revelam, com emoção, o que a cidade tem de mais bonito – a exuberância das cores formada pelo conjunto de dunas, do mar e do céu.
A exposição “Reverência ao Mar”, aberta no Dia de Iemanjá,  traz toda esta colorida beleza para alegrar os corações de quem ama São Miguel do Gostoso.
A Galeria Arte Zero e o Iasnin sentem-se felizes em exibir este belíssimo trabalho aos olhos dos gostosenses – e de todos que amam São Miguel do Gostoso.
Com sua profusão de cores, Rox  toca direto no coração de todos nós.
São Miguel do Gostoso, 2 de fevereiro de 2018
Emanuel Neri – Iasnin, Galeria ArteZero

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Ministério Público manda apreender veículos em São Miguel do Gostoso e Touros que abusem de som alto



Por Emanuel Neri
Agora é para valer. Quem estiver pensando em usar paredões de som a partir de 2018, em especial no Carnaval, pode ter problemas sérios com a polícia e com o Ministério Público.
É que o Ministério Público do Rio Grande do Norte, por meio da Promotoria de Justiça da Comarca de Touros,  determinou que autoridades de São Miguel do Gostoso e de Touros efetuem apreensão de veículos que forem flagrados produzindo som salto e sinais acústicos acima dos permitidos pela lei.
O Ministério Público pede para que a fiscalização seja feita com rigor nos dois municípios. A ordem é aprender imediatamente veículos – particulares que usam caixas de som no porta-malas ou os chamados paredões de som - que estejam estacionados ou circulando por vias das duas cidades.
Tanto em São Miguel do Gostoso como em Touros há muita reclamação contra abusos praticados por estes tipos de veículos em vias públicas. Nos períodos de festas, como Ano Novo e Carnaval, é o momento em que há mais reclamações contra o som excessivamente alto destes veículos.
A determinação do Ministério Público pode abranger também bares e residências que mantenham som alto, prejudicando vizinhos. Quem se sentir prejudicado por este tipo de abuso é só telefonar para a polícia e pedir providências. A polícia está autorizada a apreender os equipamentos de som.
No caso de São Miguel do Gostoso, a situação já foi bem pior. Nos últimos tempos as festas que utilizam paredões de som geralmente são realizadas em sítios mais distantes da área urbana da cidade. Mas vez por outra ainda aparecem veículos tirando o sossego dos moradores locais.
Em relação às festas de Carnaval, há ainda dúvidas sobre como o Ministério Público vai se manifestar em relação a São Miguel do Gostoso e Touros. Nos últimos dias, o Ministério Público tem recomendado que municípios com atraso de salários de servidores não podem realizar gastos com o Carnaval.
Em outras comarcas, o Ministério Público tem orientado para que estes municípios em dificuldades financeiras cancelem seus carnavais, mesmo que as despesas sejam custeadas pela iniciativa privada. É o caso de Macau, que realiza animado carnaval, mas que este ano foi proibido de fazer sua festa.
O Ministério Público da Comarca de Touros, que abrange São Miguel do Gostoso, ainda não se manifestou sobre o Carnaval. Servidores de São Miguel do Gostoso estão com parte de seus salários atrasados. Tradicionalmente, o Carnaval local é bancado por empresas. Até agora o Carnaval está mantido.
Outra restrição com gastos de Carnaval diz respeito a municípios atingidos pela seca. O Tribunal de Contas do Estado já determinou que estes municípios não gastem dinheiro público com Carnaval. São Miguel do Gostoso está incluído na lista de municípios que sofrem efeitos da seca que atinge a região.
O Carnaval de São Miguel do Gostoso é uma das festas mais tradicionais da cidade. Alem de bandas que saem às ruas, há bailes populares na praia da Xepa. Nas duas últimas administrações municipais estas festas da Xepa terminavam no máximo às 3h da manha. Mas ultimamente isso tem mudado.
As festas realizadas na Xepa estão indo até a manha do dia seguinte. E isso tem gerado muitas reclamações de moradores e de pousadas localizadas nas proximidades da Xepa. Ninguém é contra a realização destas festas. Mas é importante que terminem mais cedo, até mesmo para a segurança da cidade.
Abaixo, notícias em que o Ministério Público pede apreensão de veículos com som alto e informações sobre municípios que não poderão realizar suas festas de Carnaval.

domingo, 21 de janeiro de 2018

Sem provas, Judiciário pode condenar Lula e afastar ex-presidente da eleição presidencial. Isso é legítimo?



Por Emanuel Neri
Você pode até não gostar, e deve ter lá seus motivos, para discordar e ser contra Lula. Mas o que está para acontecer com o ex-presidente é muito mais sério do que o fato de se gostar ou não de uma pessoa – ou até de odiar Lula, como acontece, neste caso, por parte da população brasileira.
Como todo o Brasil sabe, Lula será julgado neste dia 24 de janeiro, em Porto Alegre, pelo Tribunal Regional Federal. O TRF4, como é mais conhecido, vai aceitar ou não a condenação do ex-presidente a nove anos de prisão pelo suposto fato de se beneficiar de um apartamento triplex na praia do Guarujá (SP).
Quem condenou Lula foi o juiz Sérgio Moro, responsável pelo processo judicial conhecido por Lava Jato, que apura corrupção em estatais e grandes empresas brasileiras. Mas é fato que o próprio Moro já afirmou, mais de uma vez, não ter provas documentais de que Lula é dono do tal apartamento do Guarujá.
Ora, se não tem provas, por que então o juiz Moro condenou o ex-presidente Lula?
Se isso não bastasse, o Judiciário da Capital Federal penhorou, há alguns dias, o tal triplex do Guarujá em um processo que envolve a empreiteira OAS, responsável pela construção e comercialização do imóvel. Então, se o mesmo apartamento atribuído a Lua foi penhorado pela OAS, por que condenar o ex-presidente?
Cadê as provas?
O que o TRF-4 vai decidir é se aceita ou não a condenação dada em 2017 pelo juiz Moro. Pelas previsões, a Justiça em segunda instância vai aceitar, mesmo sem provas, a condenação de Lula. Se isso ocorrer, o ex-presidente não pode disputar a eleição presidencial de 2018, em que é amplamente favorito para sair vitorioso.
Lula lidera, com mais de 30% de intenção de votos – ou seja, mais de dois terços do total de votos -, todas as pesquisas para a eleição de 2018. Dependendo do cenário, o ex-presidente pode ganhar a eleição ainda no primeiro turno da eleição de 2018.
E uma eleição sem Lula (na foto, com Dilma), condenado sem provas legais do ponto de vista do Direito, dá para ser levada a sério? Mais: Se a condenação ocorrer, e Lula ficar afastado da disputa para presidente, a eleição presidencial de 2018 vai ser considerada um processo eleitoral democrático ou simplesmente uma fraude?
Uma pergunta. Quem ganhar em 2018 vai ter legitimidade e condições políticas para governar o país, se mais de um terço do eleitorado não vai poder manifestar livremente sua escolha nas urnas?
Mais uma pergunta. Quais as consequências, e o que está por trás, então, da confirmação da condenação de Lula pelo TRF-4?
Para juristas brasileiros e internacionais, além de personalidades independentes de vários países, entre eles da Europa e Estados Unidos, o Brasil está diante de um julgamento de cartas marcadas.
Sem provas, o alvo é impedir Lula de voltar a ser presidente do Brasil, que já governou, com sucesso, por oito anos, entre 2003 e 2010. Ao deixar o governo, Lula tinha 80% de aprovação da população brasileira. Seu governo levou o Brasil a uma fase desenvolvimentista, com crescimento econômico altíssimo.
Mas também o que está em jogo é a continuidade ou não da democracia no Brasil.
O Judiciário vai condenar um homem sem provas? Vai impedi-lo de chegar novamente à Presidência da República, embora ele tenha o apoio da ampla maioria do povo brasileiro? Por trás desta provável condenação de Lula também é visível um amplo ato de injustiça. Você concorda com atos de injustiça?
A injustiça que deve acontecer com Lula, caso ele seja condenado e impedido de disputar a eleição neste 24 de janeiro, pode também acontecer com qualquer cidadão brasileiro. E se amanhã o Judiciário praticar um ato de injustiça com você ou com alguém de sua família – você vai concordar?
É correto você ou alguém de sua família, ou mesmo um amigo, ir  para a cadeia sem que haja nenhum fundamento legal – leia-se, provas – para a sua condenação? O que juristas e especialistas estão apontando na condenação de Lula é uma decisão ideológica dos setores conservadores e de direita no Brasil – e no exterior. 
De que lado você está? Da Justiça, soberana, ou da Injustiça, manipulada?
Quem quer a condenação de Lula e seu alijamento da vida pública, segundo juristas e especialistas no cenário político brasileiro, são setores empresariais e da mídia, à frente a Rede Globo. Para estes analistas, também estão por trás grupos e países estrangeiros que discordam de um político de esquerda no comando do Brasil.
O governo Michel Temer também é favorável à condenação de Lula. Responsável pela coordenação do golpe parlamentar que afastou a ex-presidente Dilma do governo, Temer e seus aliados – entre eles políticos do PSDB, DEM e de outros partidos conservadores– querem mais é garantir as reformas que, visivelmente, prejudicam os mais pobres do pais.
Em seus oito anos de governo, Lula criou amplos projetos sociais, aumentou a renda de trabalhadores e da população pobre, facilitou a abertura do acesso a universidades por negros e pobres – enfim, incluiu a pobreza do Brasil no orçamento do país. Aparentemente é contra isso que querem destruir Lula.
Para o Nordeste, o governo Lula foi fundamental para inserção desta região, antes esquecida por todos os governos do país, no mapa econômico do Brasil. E talvez até por isso os índices de popularidade do ex-presidente no Nordeste são altíssimos.
Estamos diante de um momento delicadíssimo no país.  Ou se busca provas fundamentadas no Direito para condenar Lula ou o Judiciário brasileiro vai cometer uma grande injustiça.
Além disso, pode mergulhar o país numa crise política de gravíssimas consequências, pois a vontade do povo não será respeitada na eleição de 2018.
Abaixo, opinião de analistas, jornalistas e juristas sobre a provável condenação de Lula.