terça-feira, 31 de janeiro de 2012

"Aqui se faz Gostoso", slogan da cidade, foi esquecido pela prefeitura. Dê aqui sua opinião sobre esta frase

Por Emanuel Neri
Esta é uma consulta aos moradores e amigos de São Miguel do Gostoso. Desde a criação do município, há 18 anos, criou-se uma slogan (frase com apelo publicitário) para divulgar o nome e fixar a imagem da cidade. A frase escolhida foi “Aqui se faz Gostoso”.
Trata-se de uma frase forte, muito criativa e de ótimo efeito de marketing. Veículos de comunicação que fizeram reportagens sobre a cidade citaram esta frase. Sem dúvida, ela desperta a curiosidade das pessoas.
Na publicidade e no marketing, um slogan é bom quando desperta certa curiosidade. Outro bom efeito da mensagem é quando a frase apela para a ambiguidade – ou seja, pode ser  entendida de várias formas, ter mais de uma interpretação de seu significado.
“Aqui se faz Gostoso” pode ser entendida também com uma certa dose de malícia, como se no slogan tivesse algum apelo sexual – esta é a questão da ambiguidade da frase. Mas o fato é que ninguém fica calado diante deste slogan. A frase faz pensar.
Pois bem, uma placa com este slogan (foto) foi colocada na entrada da cidade, acrescido da mensagem "Bem-vindo". Todos que entravam na cidade liam e fotografavam a placa. Na atual administração, não se sabe por qual motivo, a placa foi desprezada. Está bem apagada, quase invisível.
Houve interpretação conservadora do slogan? Houve leitura moralista? Não se sabe, mas o fato é que a atual gestão não deu mais a mínima importância para preservar a placa e seu slogan. O tempo fez com que a placa ficasse apagadinha, quase invisível.
O noBalacobaco quer ouvir a opinião da população sobre este slogan. Os moradores gostam do seu efeito? Ele define bem o que é São Miguel do Gostoso? Se acharem que há nela uma mensagem apelativa, maliciosa, pode-se até pensar em adaptações.
Que tal “Aqui tudo é Gostoso”? Ou outra, “Aqui tudo é bom e Gostoso”. O leitor também pode dar sua sugestão. Mas é importante que a cidade tenha seu slogan, que reforça uma imagem, um conceito sobre a beleza e o espírito da cidade.
Mesmo com a placa apagadinha, o “Aqui se faz Gostoso” continua na memória dos moradores, dos turistas que visitam a cidade, roda nas redes de mídia social e está nas inúmeras reportagens escritas sobre São Miguel do Gostoso. A frase deu nome até a um site da cidade.
Agora chegou a hora de se resgatar este slogan ou de se criar algo semelhante. O noBalacobaco aguarda a sua opinião. Ponham seus nomes ao enviarem suas opiniões - ou sugestões.

domingo, 29 de janeiro de 2012

Diminui fosso entre pobres e ricos; Brasil, com 90 milhões, já é país com predomínio de clase média

Por Emanuel Neri
O Brasil, que até pouco tempo atrás detinha o título de um dos países com maior desigualdade entre pobres e ricos do mundo, está mudando. Nos últimos anos, 40 milhões de pessoas –  corresponde à população da Argentina inteira - saíram das classes sociais D e E e chegaram a chamada “nova classe média” do país.
Por causa deste avanço em sua distribuição de renda, o Brasil já é considerado um país predominantemente de classe média. Seis em cada dez brasileiros com 16 anos ou mais já integram este segmento social, segundo levantamento do jornal Folha de S. Paulo. São 90 milhões de brasileiros, se considerados os que já eram classe média.
Estes números são impressionantes. Noventa milhões de pessoas significa que só a classe média brasileira é maior do que a população inteira da Alemanha. O levantamento da Folha chegou a estas conclusões ao analisar três indicadores, como renda, educação e posse de bens de consumo da população brasileira.
A classe média não é homogênea. Muitos têm maior nível de educação, outros de renda e inúmeros de bens de consumo ou de conforto. Há um acesso crescente a bens como eletrônicos, computadores, eletrodomésticos e automóveis. E isso ocorre graças à melhoria na distribuição de renda da população ocorrida nos últimos anos no Brasil, principalmente duante o govenro Lula (2003/2010).
Apesar destes avanços, ainda há enormes bolsões de miséria no país. O Bolsa Família, um dos maiores programas sociais do mundo, tem ajudado a reduzir este contingente. Agora, a presidenta Dilma Rousseff promete combate direto à miséria. Até criou slogan de governo com foco nesta questão: “País rico é país sem miséria”. Promete chegar ao final do seu governo com índices bem reduzidos de miséria.
A "nova classe média" é responsável pelo aquecimento do consumo interno e, consequentemente,, pelo crescimento do país. Graças a este consumo interno, o Brasil conseguiu superar rapidamente a crise econômica mundial de 2008/2009 e está também superando uma nova fase desta crise, iniciada no ano passado. Sinal de que, se diminui a pobreza, aumenta a renda e o crescimento do país - e o Brasil fica menos vulnerável a crises externas.
O economista Marcelo Neri, da Fundação Getúlio Vargas, é um dos maiores estudiosos da nova classe média no Brasil. Ele vem pesquisando este tema há quase 10 anos. Hoje (29/1) ele publica artigo na Folha de S. Paulo sobre este tema. Foi Marcelo Neri quem criou o termo “nova classe média” do Brasil.
Segundo Marcelo Neri, o termo classe C é pejorativo. Por este motivo, ele prefere chamar as pessoas que estão chegando a este novo segmento social de “nova classe média”. Veja, abaixo, links para este estudo do Marcelo Neri, bem como outras reportagens sobre a “nova classe média” e os programas sociais do governo.
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/22760-a-nova-classe-media.shtml
http://www1.folha.uol.com.br/poder/1037375-seis-em-cada-dez-brasileiros-pertencem-a-classe-media-diz-datafolha.shtml
http://www1.folha.uol.com.br/poder/1036261-quiz-faca-o-teste-e-descubra-a-que-classe-social-voce-pertence.shtml
http://pt.wikipedia.org/wiki/Bolsa_Fam%C3%ADlia

sábado, 28 de janeiro de 2012

Invasão violenta de Pinheirinho demonstra que há insensibilidade política no trato de questões sociais



Por Emanuel Neri
O Brasil tem crescido muito, já é a sexta economia do mundo, mas ainda há problemas sociais gravíssimos. E estes problemas se agravam quando há insensibilidade por partes de algumas administrações, notadamente quando se trata de privilegiar o capital e a propriedade em prejuízo da questão social.
No último dia 22 de janeiro, o governo de São Paulo, que é administrado há 20 anos pelo PSDB, deu mais uma demonstração de sua total insensibilidade – e também irresponsabilidade - no trato da questão social. A PM paulista desocupou, com muita violência, área conhecida por Pinheirinho, onde moravam 6 mil pessoas. Havia decisão judicial, mas novos recursos e apelações nesta área não estavam esgotados.
Pinheirinho fica na cidade de São José dos Campos, a 97km da cidade de São Paulo, cujo prefeito também é do  PSDB. O terreno, invadido há oito anos, pertencia ao mega investidor de origem libanesa Naji Nahas, que tinha sido preso em 2008 pela Polícia Federal. As empresas de Nahas quebraram e ele tem dívidas com credores.
Um dos motivos da invasão foi a utilização do dinheiro da venda do terreno para o pagamento destas dívidas, parte delas com a Prefeitura de São José dos Campos. A invasão da área, feita às 6hs da manhã, quando os moradores ainda dormiam, foi cruel. Houve uso de Tropa de Choque, armas, tiros e bombas de gás lacrimogêneo.
Crianças e idosos foram atingidos (na foto, mães carrgando filhos, enquanto seus barracos eram queimados) e muitos dos moradores foram feridos. Tao grave quanto isso foi o fato de o governo paulista, de Geraldo Alckmin (PSDB), não ter esquema alternativo para os desabrigados. Seis mil pessoas ficaram em galpões precários, no meio da lama, sem nenhuma assistência pública.
Mais que isso, na sequência da invasão, tratores derrubaram as casas dos moradores, destruíram seus bens, e muitos barracos foram incendiados. Móveis, eletrodomésticos e objetos pessoais foram destruídos. Os moradores não puderam voltar para seus barracos, para recuperarem seus bens. Houve violação do patrimônio destas pessoas, todas muito pobres.
A crueldade empregada em Pinheirinho teve ampla repercussão na rede social – veículos de comunicação tradicionais demoraram para dar cobertura ao massacre. A presidente Dilma Rousseff chamou a invasão de “barbárie”. A Organização das Nações Unidas (ONU) considerou ter havido grave violação dos direitos humanos.
A invasão de Pinheirinho trouxe à tona uma velha discussão da política brasileira, que é a insensibilidade com que algumas administrações, entre as quais as que estão sob controle do PSDB, tratam a questão social. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) já alertou para este distanciamento que seu partido tem com o povo. Segundo ele, o PSDB precisa se aproximar dos  pobres e do segmento da população que está ascendendo socialmente, a chamada "nova classe média".
Mas parece que nada disso tem surtido efeito. O PSDB e seu principal aliado, o DEM, não têm demonstrado muito apreço pelos segmentos da população mais pobre e marginalizada. E talvez por isso estejam há dez anos alijado do governo federal. Se não corrigirem o rumo, podem ficar anos e mais anos fora do poder central. E há o risco de perder redutos em que estão há anos, como São Paulo.
Vejam, abaixo, repercussão sobre o massacre de Pinheirinho, inclusive entrevista de Raquel Rolnik, relatora da ONU no Brasil, falando de violação dos direitos humanos. Veja também perfil de Naji Nahas.
http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1040025-acao-no-pinheirinho-viola-direitos-diz-relatora-da-onu.shtmlhttp://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/a-selvageria-da-pm-paulista-na-invasao-de-pinheirinho
http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2012/01/pm-termina-remocao-de-familias-de-area-invadida-em-sao-jose-dos-campos.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Naji_Nahas

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Participe desta campanha para criar um slogan pelo fim do trânsito nas praias de São Miguel do Gostoso

Por Emanuel Neri
Este blog tem recebido muitas sugestões de leitores que querem criar um slogan (espécie de frase de efeito) para a proibição do tráfego de veículos automotivos nas praias de São Miguel do Gostoso. É uma manifestação da sociedade diante da omissão da Prefeitura local, que não move uma única palha para que a proibição funcione efetivamente.
A proibição do trânsito nas praias começou oficialmente no último dia 7 de janeiro, depois de pressões da comunidade contra a Câmara Municipal e a Prefeitura. O prefeito Miguel Teixeira prometeu apoiar a medida, pondo sinalização e fiscalização nas praias. Mas depois mudou de opinião e não dá mais um piu sobre o assunto.
Mas, apesar da omissão do prefeito, a comunidade de São Miguel do Gostoso dá provas de que está viva e que quer a proibição do trânsito nas praias. O tráfego na orla urbana aumenta o risco de atropelamentos. Ninguém –principalmente quem tem crianças - consegue ficar tranquilo na praia com o intenso movimento de veículos.
Foi assim que surgiu a mobilização de leitores do noBalacobaco para que seja criado um slogan para a proibição do trânsito. Além da frase de efeito, a população quer confeccionar faixas e placas para colocar nas praias, orientando os motoristas a não mais trafegarem ali. É o poder do povo substituindo o dever que é da Prefeitura.
Vejamos algumas sugestões de leitores do blog. Cacau Torrani sugere algumas frases: “Abaixo os cafonas, com seus carrões”; “Não vá para a praia de carro”; “Cafona é aquele que passeia de carro na praia”. Ariadne Sofia sugere: “Gostoso é morar aqui, na paz”; “Cafonas com carrões não são bem-vindos”.
Outra leitora, que se identifica como Kátia, diz que a frase ideal seria “Gostoso é seguir as leis da cidade e não trafegar nas praias”. O noBalacobaco gosta muito desta frase”: “Dê preferência à vida. Não ande de carro nas praias”. No início deste ano, o noBalacobaco colocou uma série de faixas na cidade para reforçar esta campanha.
Algumas destas faixas, que ainda estão nas ruas de São Miguel do Gostoso, tem as seguintes frases: “Preserve a vida. Não ande motorizado nas praias”; “Praias sem trânsito. Mais vida, sem riscos de atropelamentos”; “Campanha pela vida em Gostoso. Praias livres de carros”; “Carros nas estradas e nas ruas. Praias livres para banhistas”.
Agora chegou a hora de o leitor do noBalacobaco criar a sua própria frase, enviando sugestões para os “comentários” deste blog. Pode também fazer a sua escolha para uma das frases já sugeridas pelos leitores ou pelo noBalacobaco. Vamos engrossar esta campanha e mostrar que, apesar da omissão da Prefeitura, amamos a vida.
Vamos participar desta campanha. Envie seus comentários para este blog. Dê suas sugestões. No final, faremos um julgamento – junto com os leitores – para ver qual o slogan/frase é o preferido da população.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Agricultura familiar cria cooperativa para abastecer pousadas de Gostoso e escolas públicas da região

Por Emanuel Neri
A organização de pessoas em torno de objetivos comuns é capaz de alcançar resultados incríveis. Em São Miguel do Gostoso, um grupo de trabalhadores ligados à agricultura familiar se reuniu em torno de uma cooperativa para abastecer pousadas, restaurantes e escolas públicas da região. O resultado é impressionante.
Este grupo, que reúne agricultores de outros municípios da região, criou a Cooperativa de Agricultores Familiares e Pescadores Artesanais da Economia Solidária da Região do Mato Grande (Cooafes). Dezesseis municípios do Mato Grande – região onde está São Miguel do Gostoso – fazem parte desta cooperativa. Isso é o que se pode chamar de sustentabilidade da economia local.
Pois esta cooperativa já está entregando frutas e hortaliças – todas orgânicas, sem uso de defensivos agrícolas – para a merenda escolar de escolas públicas de São Miguel do Gostoso, Pureza, João Câmara e Parnamirim. São em torno de 20 toneladas por mês. Só Parnamirim tem 64 escolas abastecidas por esta cooperativa.
No final de dezembro, a cooperativa começou a entregar estes mesmos produtos para restaurantes e pousadas de São Miguel do Gostoso. Não há problema em torno de produtos oferecidos. Se um determinado produto não for produzido na região, a cooperativa compra no Ceasa, em Natal, e o repassa para seus clientes locais.
A cooperativa já tem condições de entregar para restaurantes e pousadas 82 itens produzidos na região. Há produtos – como gengibre, maça verde, caqui, uvas – que vêm do Ceasa. Mas muitos destes produtos já começam a ser plantados e testados para também serem distribuídos em São Miguel do Gostoso.
“Para continuar crescendo, vamos precisar muito da compreensão dos empresários e das prefeituras da região”, diz o jovem José Jubenick Pereira da Silva (foto acima), 25 anos, presidente da cooperativa. Ele reúne um amplo grupo de jovens em torno do Sindicato dos Trabalhadores na Agricultura Familiar de São Miguel do Gostoso.
O sindicato, que também é presidido por Jubenick, é a base de todo este movimento de produção e distribuição de frutas, hortaliças e outros produtos agrícolas. São 180 filiados ao sindicato – em São Miguel do Gostoso são mais de mil famílias integradas à agricultura familiar. A maioria vive em assentamentos agrários.
Os produtos da agricultura familiar também estão, semanalmente, na feira de São Miguel do Gostoso. Em dezembro, a cooperativa faturou R$ 30 mil com produtos para a merenda de escolas públicas da região. Se tudo der certo, inclusive com a entrega para pousadas e restaurantes, este faturamento vai se multiplicar rapidamente.
A cooperativa da agricultura familiar tem possibilidade de crescer muito mais. Basta que as prefeituras passem a comprar a eles mais do que os 30% de toda a merenda escolar que é lei determina para serem adquiridos na região. É importante também que pousadas e restaurantes de São Miguel do Gostoso prestigiem este movimento.
“Podemos entregar tudo o que nos for pedido por prefeituras e pousadas, como leite, mel, doces de caju, bolos. Futuramente vamos poder entregar frangos, carnes e peixes”, diz Jubenick. O movimento dos agricultores familiares até criou um slogan para definir seu movimento. “País sem pobreza é país com agricultura familiar rica e ecológica”, explica João Eudes, que também integra a cooperativa.
O mais impressionante é que todos estes produtos já têm ou, em alguns casos, estão em processo para adquirir os certificados de qualidade exigidos pelo controle sanitário de alimentos. Nesta quinta-feira (26/1), a cooperativa começa a trabalhar com produtos orgânicos em uma feira da Cidade da Esperança, em Natal.
Quem quiser aderir aos produtos da cooperativa pode ligar para 084-91695597 (Lívia), 084-91640660/81303628 (Jubenick) ou 084-91344270 (João Eudes). Mensagens podem ser enviadas para cooafesrn@gmail.com ou sintrafgostoso@gmail.com. A cooperativa tem condições também de entregar seus produtos para residências e outras cidades.
Para mais informações sobre a política pública de agricultura familiar no Brasil, acessar os seguintes links:
 http://www.ceplac.gov.br/radar/Artigos/artigo26.htm
http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/Apoio_Financeiro/Programas_e_Fundos/pronaf.html
http://portal.mda.gov.br/portal/saf/programas/pronaf
http://pt.wikipedia.org/wiki/Programa_de_Fortalecimento_da_Agricultura_Familiar

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

São Paulo vai abolir sacolas plásticas em compras de supermercados; adote esta iniciativa, que é ecológica

Por Emanuel Neri
Começa amanhã, quarta-feira (25/1), em São Paulo, uma iniciativa que é de fundamental importância para a ecologia. Trata-se do fim das sacolinhas plásticas em todos os supermercados do Estado. Quem não quiser trazer as compras na mão, tem que levar sacolas de casa ou comprar uma sacolinha biodegradável (foto), por R$ 0,19.
Esta é uma medida extremamente importante para evitar que as sacolinhas plásticas continuem poluindo o ambiente, entupindo bueiros e sendo jogadas no lixo das cidades. Uma sacolinha plástica leva 100 anos para se decompor. As biodegradáveis desmancham mais rápido e auxiliam o processo de compostagem do lixo orgânico.
Os supermercados vão vender as sacolinhas biodegradáveis. Há também uma variedade enorme de sacolas que podem substituir as plásticas. São chamadas de “eco bag” (termo em inglês que significa sacola ecológica). Podem ser de papel, lona, tecido, juta – e tem para todos os gostos e bolsos.
São Paulo sai na frente no combate ao uso excessivo das sacolas plásticas. É comum  ver em ruas e terrenos desocupados estas sacolas voando, causando uma péssima impressão de sujeira – além de entupir bueiros e provocar enchentes. É claro que ela tem outros usos, mas acabam poluindo a natureza.
As sacolas plásticas de supermercados também são usadas para armazenar lixo e recolher cocô de cachorro. Mas, depois deste uso, fatalmente elas vão para os lixões ou aterros sanitários, o que provoca grande dano à natureza. É importante que todo o Brasil siga o exemplo de São Paulo e também possa abolir as sacolinhas plásticas.
No caso de São Paulo, a iniciativa foi dos supermercados que atuam no Estado. Mas o governo federal já está preparando medidas para adotar igual medida, em todo o país, a partir de 2014. Isso integraria o programa de coleta seletiva do lixo e de seu processo de compostagem, que é a transformação do lixo orgânico em adubos.
Algumas outras cidades brasileiras, como belo Horizonte (MG) e Vitória (ES), também já adotaram o fim das sacolas plásticas. É importante que o consumidor se conscientize desta medida e, mesmo em cidades onde as sacolas plásticas ainda não foram abolidas, tome a iniciativa e providencie sacolas de pano ou papel para ir aos supermercados. A natureza agradece.
Veja, abaixo, noticiário sobre o fim das sacolinhas plásticas e seus efeitos na natureza: 
http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2012/01/saiba-como-ir-compras-em-sp-apos-o-fim-das-sacolas-plasticas.html
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/21743-sacolinha-estimula-reciclagem-de-organico.shtml

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

"Novos ricos" fazem questão de exibir seus carrões na praia. Descaso da prefeitura estimula desrespeito

Por Emanuel Neri
Algum dia alguém terá que fazer um estudo sociológico mais aprofundado para entender o que leva uma pessoa a fazer questão de trafegar com seus carrões nas praias. É um comportamento de puro exibicionismo que precisa ser estudado melhor. Mostrar seus carrões na praia é sinal de poder e riqueza que precisa ser exibido.
No dia de ontem, na praia de São Miguel do Gostoso, o comportamento exibicionista destes motoristas se manifestou em diversos momentos. Embora o trânsito na orla esteja proibido, estes motoristas continuam desrespeitando a lei e a população, estimulados pela total falta de sinalização e fiscalização da Prefeitura local.
O trânsito na orla urbana de São Miguel do Gostoso está proibido oficialmente deste o último dia 7 de janeiro. A população apóia a proibição, porque teme sofrer acidentes com os veículos que trafegam por ali em alta velocidade. Mas a Prefeitura tem demonstrado total falta de sintonia com os moradores da cidade.
Sem sinalização e fiscalização da Prefeitura, tem proliferado o caso de motoristas que fazem questão de exibir seus carrões – em geral enormes caminhonetes tracionadas – na praia. Grande parte deles vem de Natal. Geralmente chegam em grupo de carros, passeiam pela praia e param em um determinado local, em círculo.
Ali, na beira da praia, estes motoristas começam seu alegre piquenique. Ligam o som alto dos carros, abrem geladeiras portáteis, sentam em cadeiras de praia, alguns estendem suas esteiras e ficam conversando e bebendo. Gealmente falam muito alto - e, o pior, costumam deixar o lixo do que consomem na beira da praia. São hábitos medonhos.
Este é um típico comportamento de “novo rico”, como chamam alguns estudiosos. Exibir seu novo padrão de riqueza é uma regra bem comum deste segmento que teve recente ascensão social. Às vezes estes motoristas também são de classes ricas, mas que infelizmente não receberam educação suficiente e hábitos civilizados de convivência em ambiente público. Muitas vezes o pobre é bem mais educado.
Mesmo alguns moradores de São Miguel do Gostoso, que hoje têm estas caminhonetes tracionadas, fazem questão de exibir seus carrões na beira da praia. O noBalacobaco flagrou o pequeno empreiteiro José Eudes, passeando com seu enorme carro, para cima e para baixo da praia, como se fosse a coisa mais normal do mundo. Outros moradores da cidade que melhoraram de vida e compraram seus carrões costumam fazer o mesmo.
O curioso é que esta gente tem argumentos favoráveis ao uso da praia como pista de corridas de carros. Acham que têm mesmo que trafegar na praia, que não causam nenhum risco de acidente, que têm que dividir o espaço da orla com os banhistas. Os “novos ricos” de outras cidades também ficam cheios de razão ao serem abordados.
É muito estranho o comportamento desta gente. Da mesma forma que também é muito estranho o comportamento da Prefeitura de São Miguel do Gostoso, que faz questão de contribuir com este hábito maluco de andar de carro na beira da praia, gerando risco de atropelamentos. Mas a população está atenta a todo este descaso e já fez seu julgamento.
O prefeito Miguel Teixeira, que parecia ter dado um grande salto qualitativo na sua administração ao acenar com o apoio à proibição do tráfego na praia, deu marcha à ré. Deixou a população a ver navios – ou melhor, a ver carros, motos (alguns deles de funcionários da Prefeitura), bugues e quadriciclos trafegando livremente nas praias.

"Um outro mundo é possível". Fórum Social começa esta semana no Brasil, com muitos temas polêmicos

Por Emanuel Neri
Começa nesta quarta-feira (25), em Porto Alegre (RS), o Fórum Social Mundial, que reúne entidades e intelectuais de esquerda (ou progressistas, se preferirem assim) de todo o mundo. O evento é um contraponto ao Fórum Econômico Mundial, que se realiza, na mesma época, em Davos (Suiça), e reúne a fina flor do capitalismo mundial.
O foco principal do Fórum Social deste ano, que está em sua 11ª edição, é o movimento global de protestos contra o mercado financeiro, que ocorreu no ano passado em várias partes do mundo.
Estarão presentes representantes do “Occupy Wall Street” (ocupe Wall Street, principal centro financeiro dos Estados Unidos), que ocorre em Nova York, além de grupos europeus, como os chamados “indignados”, da Espanha, que ocuparam por várias semanas praças espanholas, no ano passado.
O Fórum Social tem entre um de seus principais coordenadores Oded Grajew, que já foi importante auxiliar do ex-presidente Lula no programa de combate à fome. Este ano o Fórum debaterá, além dos protestos mundiais, uma extensa pauta, com 800 questões, entre elas Quilombolas, direitos autorais e saúde pública. Temas como racismo, violência contra mulheres e crianças, além de direitos dos homossexuais também sempre estão presentes aos debates.
Um outro mundo é possível”, é o slogan do Fórum Social. A presidenta Dilma Rousseff, que recebeu convite para participar do Fórum Econômico Mundial, preferiu participar apenas do Fórum Social. Estará presente na próxima quinta-feira. Quando era presidente, Lula chegou a participar dos dois fóruns, em alguns anos.
Também comparecerá ao Fórum deste ano a estudante chilena Camila Vallejo, que lidera movimento em seu país por reformas no ensino público. O jornalista Amaury Ribeiro Júnior, autor do livro “A Privataria Tucana” –que já é o mais vendido no Brasil desde o lançamento, no início de dezembro – também estará presente.
Se você quiser conhecer mais sobre o Fórum Social Mundial clique nos links abaixo:
http://pt.wikipedia.org/wiki/F%C3%B3rum_Social_Mundial
http://www.forumsocialmundial.org.br/noticias_01.php?cd_news=3594&cd_language=1
http://www.forumsocialmundial.org.br/dinamic.php?pagina=origem_fsm_por

domingo, 22 de janeiro de 2012

Com 59% de aprovação, Dilma é chefe de governo do Brasil mais bem avaliado no primeiro ano de gestão

Por Emanuel Neri
O Brasil está diante de um grande fenômeno administrativo e político. Com um ano de governo, a presidenta Dilma Rousseff (PT) bate todos os recordes de aprovação. Pesquisa Datafolha publicada na edição deste domingo (22) do jornal Folha de S. Paulo, constata que Dilma tem 59% de ótimo e bom em seu governo.
Dilma não para de crescer na avaliação positiva dos brasileiros. Há seis meses, quando a mesma pesquisa foi feita, Dilma tinha 49% de ótimo e bom – ou seja, subiu 10 pontos. Ela já é o chefe de governo mais bem avaliado desde que o Brasil se redemocratizou, em 1985, com o fim da ditadura militar.
Neste período, o Datafolha pesquisou a avaliação do primeiro ano de governo de todos os presidentes, com exceção de José Sarney. O ex-presidente Fernando Collor teve 23%; Itamar Franco, 12%; Fernando Henrique teve 41% no primeiro mandato e 16% no segundo; Lula teve 42% no primeiro ano de governo e 50% no segundo.
A aprovação do governo Dilma é positiva até mesmo entre o eleitorado que se diz adepto do PSDB, maior partido de oposição e que perdeu as três últimas eleições presidenciais para o PT. Nada menos que 40% dos eleitores do PSDB aprovam o governo Dilma. A presidenta está muito bem em todos os setores da sociedade.
Dilma tem 62% de aprovação entre as mulheres e 56% entre os homens. Na faixa que ganha entre 5 e 10 salários mínimos, tem 61% de aprovação – 16 pontos a mais do que na pesquisa anterior. No segmento que estudou até o ensino fundamental, ela tem 61% de aprovação - entre os de nível superior é de 59%.
Diante de números tão elevados de aprovação, há que se ressaltar que este fenômeno ocorre com uma pessoa que, antes de disputar a presidência com o apoio do ex-presidente Lula, jamais havia disputado um único voto do eleitorado. Isso prova que Lula acertou em cheio ao escolhê-la para a sua sucessão.
Lula deixou o governo, no final de 2010, com índices altíssimos de aprovação – próximos a 80%. Foi o presidente mais bem avaliado de toda a história do Brasil.
Se a economia do país continuar funcionando bem – e se persistir a sensação do bem-estar atual que manifestada pela população – Dilma poderá, tranquilamente, disputar e ganhar a reeleição, em 2014.
A oposição, se não houver mudanças bruscas no rumo do país, vai ter que esperar ainda muito tempo para voltar ao governo. O último presidente do PSDB foi Fernando Henrique Cardoso, que governou o país entre 2005 e 2002, quando Lula e o PT chegaram ao poder. Serão 12 anos de administração, podendo chegar a 16.
Veja, abaixo, link da Folha de S. Paulo sobre pesquisa Datafolha que aferiu a popularidade de Dilma.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/21372-aprovacao-de-dilma-supera-a-de-lula-no-inicio-do-governo.shtml

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Lamentável, mas Fifa diz que obras do estádio de Natal atrasaram e cidade pode ficar fora da Copa

Por Emanuel Neri
O Brasil tem 12 cidades que serão sedes da Copa de Futebol de 2014. Destas 12 cidades, uma voltou a entrar na relação de ficar fora da Copa por causa do atraso das obras do estádio de futebol. E esta cidade, como você já deve estar imaginando, é Natal. É uma pena que Natal corra o risco de fica sem a Copa.
Mais que uma pena, é uma tremenda irresponsabilidade das autoridades potiguares de perderem a chance de Natal sediar a Copa. Mais que a Copa em si, este evento representa ótimas oportunidades para o turismo, além de investimentos em obras de infra-estrutura na cidade, que trazem benefícios para toda a população. E são obras que ficarão para sempre.
O Rio Grande do Norte pisou na bola nesta questão da Copa. Demorou um tempo enorme para iniciar a demolição do Estádio de Lagoa Nova, onde será construído a Arena das Dunas (foto da maquete). Demorou outro tempão para que o início das obras fosse iniciada. Agora, segundo a Fifa, está tudo atrasado e Natal poderá ficar de fora da Copa.
O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, esteve ontem no Brasil para visitar as obras dos estádios e disse que o de Natal está atrasadíssimo. “Temos um estádio que está sob monitoramento da Fifa, que é o de Natal, onde definitivamente há muito atraso”. Se os atrasos persistirem, disse, Natal pode ficar de fora da Copa.
É impressionante como o Rio Grande do Norte sempre está correndo atrás do prejuízo. A governadora Rosalba Ciarlini (DEM) tem, sim, responsabilidade com este atraso. Rosalba faz um governo bastante questionado pela população. Recentes pesquisas dizem que ela tem índices de rejeição que beiram os 60%.
O marasmo do governo do DEM pode deixar o Rio Grande do Norte de fora da oportunidade de dar um grande salto no seu desenvolvimento. Se Natal ficar de fora da Copa, fica sem incremento no turismo, sem obras de infra-estrutura e sem estádio de futebol, pois o atual foi demolido para dar lugar à Arena das Dunas.
Se isso ocorrer, esta obra vai virar um esqueletão inacabado. E aí Rosalba Ciarlini vai contabilizar este belo troféu como símbolo de sua administração. Não esquecendo que a prefeita de Natal, Micarla de Souza (PV), também tem culpa neste cartório. Micarla, com quase 90% de rejeição da população, faz a pior administração de toda a história de Natal.
Veja, abaixo, links do noticiário sobre a ameaça de Natal ficar de fora da Copa:

http://www1.folha.uol.com.br/esporte/1036645-fifa-poe-natal-sob-risco-para-a-copa-e-nega-tensao-com-governo.shtml
http://g1.globo.com/brasil/noticia/2012/01/secretario-geral-da-fifa-diz-que-estadio-de-natal-esta-muito-atrasado.html

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Grupo trabalha em São Miguel do Gostoso com jovens em situação de risco e combate a drogas

Por Emanuel Neri
Vejam que trabalho interessante está sendo feito, voluntariamente, em São Miguel do Gostoso. Otoniel Baracho, 68, com o apoio de outras pessoas da comunidade, criou uma associação para cuidar de crianças e adolescentes em situação de risco, bem como de jovens que estão convivendo com drogas.
A entidade chama-se ASLÍRIO – Associação Lírio dos Vales de Defesa da Vida e Plena Cidadania de São Miguel do Gostoso. Junto com este órgão foi criado também um fórum, com a participação de ONGs, Prefeitura, Câmara Municipal e Igrejas do município. O foco deste grupo é a recuperação de jovens envolvidos com drogas.
Estas duas entidades estão muito bem estruturadas. Basta ver a “missão” de ambas para entender sua importância: “Fomentar a promoção do ser humano, buscando o resgate daqueles que, excluídos da prática cidadã, encontram-se em situação de risco e vulnerabilidade social”.
A ASLÍRIO trabalha também com visão e valores. “Propugnar pela construção coletiva da melhoria de vida na plenitude de seus aspectos”, diz a visão do projeto. Os valores são: defesa da vida, valorização das pessoas, responsabilidade compartilhada, compromisso social, integridade, seriedade, transparência e participação”.
Otoniel, que já foi vereador em Touros, mas que hoje está aposentado, é uma destas pessoas que vive mergulhado na promoção da pessoa humana. Há seis meses morando em São Miguel do Gostoso, Otoniel é um especialista na temática dos problemas da droga. Integra o Fórum Estadual de Políticas Públicas sobre Drogas.
Em São Miguel do Gostoso, Otoniel também criou a Escolinha do Bem, que trabalha com crianças entre 6 e 15 anos. São 55 crianças que, aos sábados, participam de intensa programação com atividades de recreação e palestras sobre proteção contra drogas, pedofilia, tabagismo e alcoolismo.
A ASLIRIO é presidida por Rosimar Teixeira Câmara Vicente. Segundo Otoniel, esta entidade tem como encaminhar, para tratamento especializado em Natal, qualquer pessoas que queira se livrar de dependência de drogas. Otoniel coordena serviços de apoio a dependentes de drogas em toda a região norte do Estado.
Você pode visitar a ASLÍRIO e a Escolinha do Bem para acompanhar o bom trabalho que é feito. Ela fica na rua dos Camarões, 181, no bairro do Maceió. No momento, Otoniel está precisando levantar recursos para pagar custos de cartórios com a  regulariza destas entidades.
Vale muito a pena ajuda-lo. Algumas pessoas, como o prefeito Miguel Teixeira, fez uma doação em caráter pessoal. A Pousada dos Ponteiros também está ajudando. É importante que outras pousadas e restaurantes – ou pessoas físicas – também ajudem. Celular de Otoniel, 084-91347434; email, souzabaracho@yahoo.com
O enfrentamento dos problemas causados pelas drogas em São Miguel do Gostoso deve ser uma tarefa de toda a comunidade. Então é importante que empreendedores e a população se envolvam – contribuindo com ajuda financeira ou trabalho voluntário – a esta bandeira levantada pela ASLÌRIO e por Otoniel Baracho.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Governadora do RN e prefeita de Natal têm alta rejeição da população; Dilma tem ampla aceitação

Por Emanuel Neri
E as duas principais administradoras públicas do Rio Grande do Norte – a governadora Rosalba Ciarlini (DEM) e a prefeita de Natal, Micarla de Souza (PV) – não estão nada bem junto à opinião pública. Pesquisa divulgada pelo jornal Tribuna do Norte comprovou o altíssimo nível de rejeição das duas.
A pesquisa, feita em Natal pelo Instituto Certrus, constatou que a rejeição da governadora Rosalba Ciarlini (foto) é de 58,57%, enquanto apenas 25,71% aprovam seu governo. No caso da prefeita Micarla, a situação é mais dramática, pois é rejeitada por 89% – apenas 8,5 dos natalenses aprovam seu governo.
O pior é que a rejeição de ambas administradoras vem aumentando, embora com índices pequenos. Em julho passado, o mesmo instituto de pesquisa constatou que o índice dos que desaprovam a governadora do DEM era de 55,6%. Já a prefeita Micarla era rejeitada por 88,6% dos natalenses.
Micarla faz um governo desastrado e já é a prefeita de Natal com a maior desaprovação de toda a história da administração da cidade. Se ela concorrer à reeleição este ano, corre o altíssimo risco de ser derrotada. A governadora potiguar deve ter cuidado para não ter o mesmo destino de Micarla.
Enquanto Rosalba e Micarla estão em péssima situação junto aos natalenses, a presidenta Dilma Rousseff (PT) tem índices altíssimos de aprovação. A mesma pesquisa do Certrus também quis saber da população de Natal sua opinião sobre o governo Dilma. Resultado: 72,57% a aprovam (em julho eram 61,4%).
Vejam, abaixo, links para a mais recente pesquisa do Certrus e outra pesquisa, da Sinduscon-Consult, que constataram o alto grau de rejeição da governadora  Rosalba Ciarilini e da prefeita Micarla de Souza:

http://tribunadonorte.com.br/noticia/rosalba-e-reprovada-por-58-por-cento-e-micarla-por-89-por-cento/209097


http://tribunadonorte.com.br/noticia/pesquisa-traz-avaliacoes-dos-governos/208541

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Bugue em alta velocidade apropela "Pitu da Praia", cão mascote dos velejadores de São Miguel do Gostoso

"Pitu da Praia"
Por Emanuel Neri
Vejam o tamanho do perigo que é trafegar com veículos automotivos nas praias urbanas de São Miguel do Gostoso. No final da tarde de ontem (16/1), “Pitu da Praia”, um cachorro labrador que é uma espécie de mascote dos velejadores da Ponta do Santo Cristo, foi atropelado por um bugue que trafegava em altíssima velocidade.
“Pitu da Praia” ficou gravemente ferido e foi levado, às pressas, para uma clínica veterinária, em Natal, onde seria submetido a uma delicada cirurgia na manhã de hoje. O motorista do bugue sequer parou para prestar socorro. O acidente, que já é lamentável por atingir um animal, poderia ser muito pior, se fosse com uma pessoa.
É por causa deste risco de atropelamento que a população de São Miguel do Gostoso se mobilizou em favor da proibição do trânsito na orla urbana da cidade, o que oficialmente está valendo desde o último dia 7 de janeiro. Lei federal proíbe este tipo de trânsito. Cabe ao Poder Público local (Prefeitura) cumprir a lei e criar meios para tirar o tráfego das praias.
O problema é que a Prefeitura não tem feito absolutamente nada para sinalizar e fiscalizar as faixas de praia em que não se pode trafegar. Sem esta fiscalização, a cada dia motoristas irresponsáveis se sentem mais estimulados a continuarem trafegando pelas praias, em alta velocidade, pondo em risco a vida da população.
Um equívoco
“Pitu da Praia” é um cachorro, manso e dócil, que pertence a Remy, que tem guarderia e escola de kitsurfe na Ponta do Santo Cristo. “Pitu da Praia” é tão conhecido que tem até “Facebook”- muita gente o acompanha pela rede social. Remy é também proprietário da Pousada Albergue da Jangada.
No último sábado, o noBalacobaco cometeu um equívoco ao confundir Remy com um outro instrutor, de uma conhecida guarderia/escola que fica na Praia do Cardeiro. Este instrutor, que não era o Remy, embora haja grande semelhança entre os dois, acompanhava – de bugue e falando num rádio - um aluno que, no mar, aprendia kitsurfe.
O instrutor da guarderia da Praia do Cardeiro informou ontem que era ele que dirigia o bugue na praia enquanto dava instruções ao seu aluno. Reconheceu que não devia estar dirigindo na praia, devido ao risco de atropelamentos. É importante que as guarderias/escolas, assim como pousadas e restaurantes, orientem seus clientes a não dirigirem na praia.
Resta agora o drama vivido pelo “Pitu da Praia”. Seus donos e os velejadores que frequentam a Ponta do Santo Cristo estão muito tristes. Apesar da insensibilidade da Prefeitura local, o noBalacobaco vai continuar com a campanha para que não se trafegue mais – com qualquer veiculo, incluindo bugues, caminhonetes, motos e quadriciclos - nas praias.
O noBalacobaco deseja que o “Pitu da Praia’ se recupere e sugere que, a partir de agora, ele seja o símbolo desta campanha que tenta evitar que pessoas, animais, flora e fauna de São Miguel do Gostoso não corram mais o risco de serem atropeladas por motoristas que, irresponsavelmente, continuam dirigindo seus veículos na praia.
Veja, abaixo, o endereço do Facebook do “Pitu da Praia”. Manifeste sua solidariedade ao "Pitu da Praia" e seus donos e participe desta campanha para que este simpático animal seja o símbolo da mobilização para proibir o trânsito nas praias urbanas de São Miguel do Gostoso.


http://www.facebook.com/#!/profile.php?id=100002880588638

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Prefeitura de São Miguel do Gostoso dá as costas para decisão de proibir trânsito em praia urbana da cidade


Por Emanuel Neri
Ganha um doce deste blog quem descobrir o verdadeiro motivo que levou o prefeito de São Miguel do Gostoso, Miguel Teixeira, a cruzar os braços em relação à proibição do trânsito de veículos automotivos nas praias urbanas da cidade.
Desde o dia 7 de janeiro, quando a medida entrou em vigor, o prefeito e a Prefeitura não mexem uma palha para que a proibição passe a funcionar efetivamente. Falta à Prefeitura bloquear passagens que dão acessos às praias e pôr placas de sinalização em toda a orla.
Também é de responsabilidade da Prefeitura a fiscalização da proibição, com pessoas orientando os veículos – especialmente os que vêm de outras cidades – a não trafegarem na praia. A Polícia Militar também ficou de policiar as praias, mas até agora nada foi feito.
É verdade que o prefeito disponibilizou um dos seus funcionários para ajudar na organização da mobilização pró-proibição, no último dia 7. Também alugou carro de som para acompanhar a mobilização e espalhou algumas faixas na cidade. E só. Esquece que a proibição tem apoio praticamente unânime da população.
Há sinais mais do que evidentes de que o prefeito não dá a mínima importância para a proibição do trânsito nas praias. No último final de semana, foi abordado por um parente, que o questionou, com certa indignação, sobre a falta de fiscalização e sinalização nas praias.
“Não tenho nada a ver com esta história”, respondeu Miguel Teixeira. Tem sim, prefeito. É obrigação sua, como autoridade máxima do município, de zelar pela segurança dos que frequentam as praias e que enfrentam risco de atropelamentos. 
A legislação brasileira – decreto 5.300 e lei 7.661 -, por meio do Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro, determina (veja abaixo) que cabe ao Poder Público Municipal a criação de leis locais para proibir o trânsito nas praias urbanas.
Se o prefeito resolve ignorar totalmente esta legislação, é importante que ele tome conhecimento que poderá ser legalmente responsabilizado, pela Justiça, por qualquer acidente grave que ocorra nas praias urbanas de São Miguel do Gostoso.
Veja, abaixo, a integra da legislação que determina ao Poder Público Municipal (Prefeitura e Câmara) a implementação e execução de normas que fiscalizem a orla:

DECRETO Nº 5.300 DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004: Regulamenta a Lei no 7.661, de 16 de maio de 1988, que institui o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro - PNGC, dispõe sobre regras de uso e ocupação da zona costeira e estabelece critérios de gestão da orla marítima, e dá outras providências.

Art. 14. O Poder Público Municipal, observadas as normas e os padrões federais e estaduais, planejará e executará suas atividades de gestão da zona costeira em articulação com os órgãos estaduais, federais e com a sociedade, cabendo-lhe:

I - elaborar, implementar, executar e acompanhar o PMGC, observadas as diretrizes do PNGC e do PEGC, bem como o seu detalhamento constante dos Planos de Intervenção da orla marítima, conforme previsto no art. 25 deste Decreto;

II - estruturar o sistema municipal de informações da gestão da zona costeira;

III - estruturar, implementar e executar os programas de monitoramento;

IV - promover o fortalecimento das entidades diretamente envolvidas no gerenciamento costeiro, mediante apoio técnico, financeiro e metodológico;

V - promover a compatibilização de seus instrumentos de ordenamento territorial com o zoneamento estadual;

VI - promover a estruturação de um colegiado municipal.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Prefeitura autorizou forrozão por interesse político; AEGostoso vai processar prefeito por liberar praça

Por Emanuel Neri
O mais grave do lamentável episódio que levou a Prefeitura de São Miguel do Gostoso a liberar a praia da Xepa, no centro da cidade, para um forrozão que varou a madrugada, com um som altíssimo, é que, por trás desta decisão, estavam interesses políticos do prefeito Miguel Teixeira.
Toda a população da cidade sabe que a praça só foi liberada para uma senhora fazer o forrozão, incomodando centenas de pessoas e turistas, por causa de suas relações familiares com um importante ex-auxiliar da Prefeitura. E o prefeito acha que, em nome deste interesse político, pode deixar pessoas sem dormir, inclusive idosos e doentes.
Desde que o noBalacobaco divulgou, na madrugada do domingo, a notícia sobre o forrozão, não param de chegar depoimentos de pessoas indignadas, algumas se queixando de serem idosas e estarem doentes, com o uso de  espaço público para este tipo de evento.
Importante dizer que, embora com entrada paga, a festa era de interesse exclusivamente particular, em benefício unicamente de uma família. É muito grave - e extrapola os limites da responsabilidade - esta decisão do prefeito.
Ao autorizar o forrozão em espaço público, o prefeito extrapolou seus poderes e por isso deve ser responsabilizado por sua decisão. A AEGostoso – Associação dos Empreendedores de São Miguel do Gostoso – decidiu entrar com ação de responsabilidade na Justiça contra o prefeito Miguel Teixeira.
Esta ação deverá ser ajuizada nos próximos dias. O Ministério Público será acionado para que o prefeito explique os motivos de ter autorizado o uso de um espaço público, que é de responsabilidade da Prefeitura, para a realização desta festa. E fez isso com o agravante de a festa ser de interesse particular e familiar.
O prefeito sabe que há um calendário, determinado pelo Ministério Público e pela Justiça, em que festas de interesse público – que não são particulares – possam ser realizadas. Estes eventos, em ambiente aberto, podem ser feitas no reveillón, Carnaval, Festa do Padroeiro e Aniversário de Emancipação do Município.
Fora destas datas, as festas em espaço público e ao ar livre estão proibidas. Mesmo as festas particulares, feitas em residências ou bares, tem que respeitar o horário de encerramento à meia noite. O forrozão do sábado passado, que superou todos os limites de som já vistos e ouvidos na cidade, só terminou depois das 3hs da manhã.

Prefeitura de São Miguel do Gostoso autoriza forrozão até a madrugada , incomodando moradores e turistas

Por Emanuel Neri
O uso do espaço público, em qualquer cidade do mundo, é de responsabilidade da autoridade local – ou seja, da Prefeitura. Pois em São Miguel do Gostoso essa regra parece ser diferente. A Prefeitura – a começar pelo prefeito da cidade, Miguel Teixeira – não está nem um pouco interessada com o que acontece na cidade.
Na noite de ontem, um espaço público da cidade – a praia da Xepa, que é cercada de residências e de pousadas – foi cedido pela Prefeitura para um forrozão particular, organizado por uma conhecida dona de um bar próximo ao posto de combustível. O barulho, que deixou muita gente sem dormir, foi até quase de manhã.
Algumas perguntas que podem ser feitas a partir deste lamentável episódio:
1)Com que direito a Prefeitura autoriza um espaço público para ser usado irresponsavelmente para uma festa particular?
2)Qual é o direito que a Prefeitura tem de deixar centenas de pessoas –moradores e turistas -, toda uma noite, sem dormir?
3)Aonde está a autoridade máxima da cidade que não controla seus espaços públicos e tampouco zela pelo bem-estar de seus moradores e dos turistas que nos visitam?
São Miguel do Gostoso é uma cidade que tem no turismo uma de suas principais atividades econômicas. O turismo aqui gera receita e empregos. Mas um forrozão, como o de ontem à noite, afugenta turistas, traz uma péssima imagem para a cidade e causa sérios transtornos para a população.
O prefeito Miguel Teixeira sabe que o Ministério Público estabeleceu um calendário de festas públicas em São Miguel do Gostoso. Estas festas, em ambiente aberto, podem ser realizadas apenas no reveillón, carnaval, dia do padroeiro e dia do aniversário da emancipação da cidade. Fora destas datas,  festas em ambiente público que varam a noite estão proibidas.
Isso significa que o prefeito poderá ser responsabilizado legalmente pela forrozão realizado ontem á noite. E moradores e empresários de turismo da cidade estão dispostos a acionar o Ministério Público e a Justiça para que o prefeito cumpra o calendário de festas e tenha o mínimo de respeito pela população local.
O noBalacobaco procurou ontem a polícia para saber quem tinha autorizado o forrozão fora do calendário oficial de festas. A polícia informou que havia recebido um ofício da Prefeitura. É lamentável saber que a administração pública local está se lixando para o desconforto de moradores e de turistas que estão na cidade.
Se insistir em autorizar festas particulares e barulhentas como a de ontem, o prefeito Miguel Teixeira vai deixar como marca principal de sua administração a morte do  turismo da cidade. É triste saber que um prefeito, em quem a população depositou confiança, não demonstra a menor responsabilidade com o futuro da cidade.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Prefeitura ignora sinalização da proibição do trânsito nas praias; estrangeiro desrespeita as leis brasileiras

Por Emanuel Neri
Uma semana depois do início oficial da proibição do trânsito nas praias urbanas de São Miguel do Gostoso, a Prefeitura ainda não colocou uma única placa de sinalização informando sobre a proibição do tráfego.
Também não há ainda o policiamento, prometido pelo comando da Polícia Militar, para orientar os motoristas a saírem da orla e punir –com a apreensão do veículo - aqueles que insistirem em permanecer dirigindo nas praias.
A impressão que se tem é que se nadou, nadou, para morrer na praia. A população se mobilizou, apoiou com entusiasmo a medida, mas falta agora o papel fiscalizador da Prefeitura. O serviço, pelo jeito, foi feito pela metade.
Muita gente tem reclamado, neste blog, do descuido da Prefeitura na colocação de placas de sinalização e da inexistência da presença de pessoal para orientar os motoristas que chegam à cidade, sem saber que não podem trafegar nas praias.
Sem o apoio da Prefeitura, muitos motoristas continuam trafegando pelas praias. O noBalacobaco flagrou ontem o dono de uma guarderia e escola de kitsurfe dirigindo seu bugue pela orla, enquanto orientava, com um rádio, falando em inglês, um aprendiz de velejador que estava no mar.
Isso é grave. O pior é que este cidadão, que é estrangeiro –ele também é dono de uma pousada/albergue na cidade – tem obrigação de conhecer e respeitar as leis brasileiras, como o Código de Gerenciamento Costeiro, que proíbe o tráfego em praias urbanas. Este cidadão estrangeiro também tem obrigação de respeitar determinação municipal, de São Miguel do Gostoso, com o mesmo objetivo.
Ao ser abordado pelo noBalacobaco, este estrangeiro demonstrou arrogância, como se ele tivesse o direito de trafegar na praia. Quando um brasileiro viaja a qualquer país estrangeiro, é obrigado a respeitar as leis locais. Se não respeitar, corre o risco de ser rigorosamente punido.
Pois este estrangeiro tem negócios em São Miguel do Gostoso, ganha com a exploração da sua escola/guarderia de kitsurfe – bem como de sua pousada/albergue – e faz questão de desrespeitar as leis locais.
A população e as autoridades têm que cobrar dos nativos de São Miguel do Gostoso que teimam em trafegar na praia. No caso dos estrangeiros – que os moradores locais  chamam de “gringos” – a exigência tem que ser ainda maior.
É importante que estes estrangeiros saibam que um empregado de uma empresa de energia eólica foi demitido esta semana simplesmente por trafegar com um veículo (da empresa) na praia, fato divulgado aqui neste blog.
Se estes estrangeiros continuarem a desrespeitar as leis brasileiras, o noBalacobaco vai começar a divulgar seus nomes, de preferência com fotos. Se eles insistirem com seus abusos, é o caso do Ministério Público tomar providências.

Esquenta briga entre CNJ e magistrados; ministra encarregada de investigações diz que não desistirá

Por Emanuel Neri
Tem uma briga aí na parada que promete muito. O confronto envolve a ministra Eliana Calmon, corregedora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), e magistrados –juízes e desembargadores de Tribunais de Justiça – que se recusam a serem investigados pelo CNJ, que tem poderes constitucionais para fazer estas investigações.
Até a Corte Maior do país, o Supremo Tribunal Federal (STF), já entrou nesta briga. Em decisão no finalzinho do ano jurídico de 2011, o STF – em decisão do ministro Marco Aurélio Mello – decidiu reduzir os poderes do CNJ. Há uma série de supostas irregularidades, atribuídas a magistrados, que o CNJ estava investigando (na foto, símbolo da Justiça, diante do prédio do STF).
Com a decisão do STF, estas decisões perdem efeitos. Mas isso fez com que a briga aumentasse ainda mais. Em sua edição desta quinta-feira (12/1), o jornal O Estado de S. Paulo publicou entrevista com a ministra Eliana Calmon, em que ela afirmava que não vai recuar. “Eles (magistrados) não vão conseguir me desmoralizar”, disse.
“Eu estou vendo a serpente nascer. Não posso me calar”, afirmou Calmon. Ao contrário dos Poderes Executivos (presidente, governadores, prefeitos) e Legislativos (senadores, deputados, vereadores), o Poder Judiciário não era fiscalizado e julgado por nenhuma instância. O CNJ foi criado, mais recentemente, com este objetivo.
São muitas as denúncias feitas contra o Judiciário. Há denúncias contra pagamentos supostamente ilegais feitos a magistrados e privilégios que eles não têm direito. A Folha de S. Paulo de hoje (13/1) informa que 3.426 magistrados e servidores do Judiciário fizeram movimentações consideradas “atípicas”, envolvendo R$ 855 milhões, entre 2000 e 2010.
Apenas três pessoas, duas delas vinculadas ao Tribunal da Justiça Militar de São Paulo e ao Tribunal de Justiça da Bahia, chegaram a movimentar R$ 116,5 milhões em apenas um ano (2008). Outro tribunal suspeito destas supostas irregularidades é o do Trabalho, do Rio de Janeiro.
É claro que a grande maioria dos juízes e desembargadores são pessoas honestas e muitos deles defendem a ação do CNJ. Mas tem também aqueles que não querem ser investigados, embora haja uma série de suspeitas contra eles. A opinião pública já comprou esta briga em favor do CNJ e da minista Eliana Calmon e quer a apuração de todas estas suspeitas de irregularidades.

É importante que o CNJ continue fazendo suas investigações. O Brasil vive uma democracia e nenhum poder constituído do país pode ficar livre de ser fiscalizado e julgado pela sociedade. Este é o papel que foi dado ao CNJ e que, portanto, deve ser mantido. Espera-se que o conjunto de ministros do STF restabeleça o poder fiscalizatório do CNJ.
Vejam, abaixo, links da entrevista da ministra Eliana Calmon e informações sobre as movimentações consideradas “atípicas” do Judiciário. O noBalacobaco já havia tratado desta questão, em uma de sua edições de dezembro. Vejam também este texto, abaixo.

http://www.brasil247.com.br/pt/247/poder/34925/Eliana-Calmon-diz-que-n%C3%A3o-vai-se-calar.htm
http://www1.folha.uol.com.br/poder/1033550-coaf-aponta-operacoes-atipicas-de-r-855-mi-de-juizes-e-servidores.shtml
http://nobalacobaco.blogspot.com/2011/12/liminar-de-ministro-do-stf-limita-poder.html

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

UOL diz que São Miguel do Gostoso tem kitesurfe e surpreende pela beleza e variedade gastronômica

Por Emanuel Neri
Agora foi a vez do UOL – maior portal de internet do Brasil – publicar ampla reportagem sobre São Miguel do Gostoso, nesta quarta-feira (dia 11/1). O texto – ilustrado com bela foto de kite e windsurfe – rasga elogios para a beleza da cidade e de suas praias, o charme de suas pousadas e os ótimos restaurantes.
“Reduto de kitesurfistas, São Miguel do Gostoso surpreende pela beleza e variedade gastronômica”, diz o título da reportagem. A cidade, segundo o texto, “preserva o encanto de oásis desvendado aos poucos do litoral do Nordeste”. Para o UOL, em época de temporada a praia é invadida por brasileiros e europeus.
“São poucas praias, de águas claras e mornas, onde a força dos ventos fundiu a prática de dois esportes que transformaram o balneário em nova meca de velejadores: o kitesurfe (foto) e o windsurfe”, diz. A cidade, segundo o UOL, oferece “relax total em confortáveis pousadas”.
A reportagem dá destaque especial para algumas pousadas e restaurantes. Cita a Porto do Trapiá, a primeira da cidade, segundo a reportagem, a ter uma piscina de borda infinita. A Pousada dos Ponteiros, afirma, “oferece amplos chalés a poucos espaços das dunas e um mini-spa com terapias indianas”.
O UOL também elogia as pousadas Só Alegria, Casa de Taipa e Mar de Estrelas. Diz ainda que a culinária da cidade é de primeira, com restaurantes que “fazem qualquer um gostar de Gostoso em qualquer época do ano”, com chefs de várias cidades brasileiras e de países europeus.
A reportagem do UOL faz uma única recomendação: São Miguel do Gostoso não é um lugar para o visitante desembarcar usando roupas pretas, a menos que ele queira chamar mais atenção do que uma vela inflada de 16 metros quadrados e com cinco cores (refere-se à pipa do kitsurfe).
Veja, abaixo, link da nova reportagem do Portal UOL. Abaixo do texto, há outros links sobre São Miguel do Gostoso, inclusive indicação sobre restaurantes da cidade:

http://viagem.uol.com.br/guia/cidade/sao-miguel-do-gostoso.jhtm

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

São Miguel do Gostoso cria limite de mil metros, na área urbana, para instalar aerogeradores de eólicas

Por Emanuel Neri
Para evitar que praias e cidades tenham problemas com os limites para instalação dos aerogeradores de energia eólica, cada município tem que criar uma legislação específica – com base em lei federal – para disciplinar esta atividade.
São Miguel do Gostoso (RN) já fez este seu dever de casa. A Câmara Municipal aprovou – e o prefeito já sancionou - projeto de lei que disciplina três limites para que as usinas de energia eólica possam ser instaladas. A iniciativa protege a população e o meio ambiente.
A partir deste ano, várias usinas eólica serão instaladas no município. Algumas delas ficarão na altura da área urbana da cidade. Estão previstos pelos menos R$ 1 bilhão de investimento com energia eólica em São Miguel do Gostoso.
A lei que disciplina estes limites, de número 208/2011, estabelece três distâncias entre a faixa de praia (orla) e o início dos aerogerdores. O primeiro deles, de mil metros, vai da Ponta do Santo Cristo até o limite entre as fazendas Tourinhos e Olho D’água.
O segundo limite, de 600 metros, vai do início da fazenda Olho D’água até o início da fazenda Canto da Ilha de Cima. Por último, o terceiro limite, de 300 metros, vai da fazenda Canto da Ilha de Cima até a divisa entre os municípios de São Miguel do Gostoso e Pedra Grande.
Estes limites farão com que, no caso de São Miguel do Gostoso, as empresas de energia eólica tenham mais cuidado com áreas de interesse turístico e expansão urbana, como é o caso dos mil metros entre a Ponta do Santo Cristo e a fazenda Olho D’água. Toda a área urbana do município está nesta área.
No segundo caso – 600 metros – justifica-se pela existência de infra-estrutura (fazendas) e estrada. Já o terceiro limite, de 300 metros, foi estabelecido tendo-se como base a não existência de nenhum empreendimento naquela área.
Com estes limites, São Miguel do Gostoso evitará o que ocorre atualmente na praia de Galinhos, em que empresas de energia eólica querem instalar aerogeradores nas Dunas do Capim, um santuário ecológico e arqueológico daquela praia.
Esta delimitação para instalação dos aerogeradores responde também a dúvidas de alguns moradores de São Miguel do Gostoso, manifestadas em noBalacobaco, que temem desconforto com ruídos provocados pelas hélices dos aerogeradores.
Com a distância de mil metros da orla, que o caso de toda a faixa urbana de São Miguel do Gostoso, não haverá quase nenhum risco deste desconforto. É importante que todos os municípios adotem estas medidas, para evitar problemas com as eólicas.
Veja, abaixo, link sobre problemas que a população de Galinhos está enfrentando com a instalação de aerogeradores de usinas eólicas.
http://nobalacobaco.blogspot.com/2012/01/populacao-de-galinhos-nao-quer-que.html

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

População de Galinhos não quer que energia eólica ocupe santuário ecológico, cartão postal da cidade

Por Emanuel Neri
A energia eólica é bem-vinda para a economia do Nordeste. Este tipo de energia vai impulsionar o desenvolvimento da região, gerando renda e empregos. Mas também há limites a serem obedecidos na instalação destas usinas eólicas.
Agora mesmo é a população de Galinhos (RN), praia próxima a São Miguel do Gostoso, que se levanta, em protesto, contra a instalação destas usinas do jeito que as empresas estão querendo. E os moradores estão cobertos de razão.
Galinhos é uma cidade turística, situada em uma linda península. Lá sequer circulam carros. Pois as empresas de energia eólica querem usar um dos seus cartões postais, as Dunas do Capim, para instalarem ali seus autogeradores. Vejam que absurdo.
As Dunas do Capim são um santuário ambiental -é uma espécie de Ponta do Santo Cristo, para São Miguel do Gostoso. Há ali várias lagoas e uma vegetação típica de dunas. Além disso, estas dunas contam também com seis sítios arqueológicos, formados por antiquíssima ocupação indígena da região.
É claro que a energia eólica tem que respeitar este santuário. O consórcio responsável pelo parque eólico de Galinhos, conhecido por Brasventos, é formado pelas empresas J. Malucelli Energia, Eletronorte e Furnas. Vejam que as duas últimas são estatais.
Este consórcio pretende instalar 35 aerogeradores, em área de 719 hectares, todos muito próximos a Galinhos. A população quer que pelo menos 23 destes aerogeradores sejam deslocados para outros locais, mais afastados da cidade.
O consórcio resiste à vontade da população. Mas vai ter que ceder. Não dá para chegar assim, como está fazendo a Brasventos, querendo destruir tudo o que vê pela frente. A opinião da população tem que ser respeitada.
Alguns destes geradores que seriam instalados nas Dunas do Capim ficam a apenas 3km de Galos, que tem 700 habitantes e que é um dos distritos de Galinhos. O Idema (Instituto de Defesa do Meio Ambiente) do Estado já está intermediando o impasse.
Veja, abaixo, link do jornal Tribuna do Norte com reportagem sobre esta questão:
http://tribunadonorte.com.br/noticia/moradores-reagem-a-usinas-eolicas/208373

domingo, 8 de janeiro de 2012

São Miguel do Gostoso é destaque de reportagem especial da Folha de S. Paulo sobre prática do kitsurfe

Por Emanuel Neri
E mais uma vez São Miguel do Gostoso é destaque em um veículo da grande imprensa nacional. Desta vez foi a Folha de S. Paulo que, na edição deste domingo (8/1), deu ampla reportagem especial sobre a prática de kitsurfe em várias praias brasileiras.
Além de São Miguel do Gostoso (foto), são citadas duas outras praias nordestinas, como Preá (Ceará) e Cajueiro da Praia (Piauí). Segundo a reportagem, estas praias são excelentes – e estão entre as melhores do Brasil – para a prática do kitsurfe.
A reportagem é do jornalista Roberto de Oliveira, que esteve em São Miguel do Gostoso, em novembro, a convite da Pousada dos Ponteiros (www.pousadadosponteiros.com.br). Título da reportagem: “Caçadores de Vento”.
“Gringos e brasileiros se cruzam pelos mares do país com o kitsurfe, mix de surfe, windsurfe e vôo livre”, diz o subtítulo da reportagem. Segundo a reportagem, há 8 mil praticantes de kitsurfe no Brasil – 300 deles são profissionais.
A reportagem cita Sílvia Teixeira, de São Miguel do Gostoso – seus pais são proprietários da Pousada Mar de Estrelas -, mas que atua como juíza do Trabalho em Salvador (BA). Silvia fala de sua bela experiência como praticante de kitsurfe.
Além da reportagem, a Folha traz um infográfico com informações sobre as áreas em que o kitsurfe é praticado. Em São Miguel do Gostoso, são citadas guarderias e escolas de kitsurfe. Mas este infográfico só aparece na edição impressa da Folha.
 Veja, abaixo, link para a reportagem da Folha sobre os “Caçadores de Vento”:

Nos primeiros dias de proibição, houve tráfego nas praias; Prefeitura tem que reforçar sua fiscalização

Por Emanuel Neri
Nos dois primeiros dias de proibição de trânsito de veículos automotivos nas praias urbanas de São Miguel do Gostoso, ainda foram vistos muitos carros e motos circulando pela orla. Diminuiu o número de veículos se comparado a outros dias, mas ainda tem motoristas desrespeitando a lei.
Era visível ontem a participação da população pedindo aos motoristas para não trafegarem na praia. Alguns motoristas atendiam, dirigiam seus carros para os acessos às ruas, mas outros faziam que nem era com eles. Até uma caminhonete da Serveng – empresa de energia eólica – passou várias vezes pela praia.
O veículo da Serveng, marca Mitsubishi, modelo L200, cor branca, passou várias vezes pela praia. Seu motorista foi advertido, mas fez que não ouviu. A Serveng precisa tomar providências contra este mal funcionário. Uma empresa que é responsável  tem que respeitar as regras do município em que ela atua.
A Prefeitura também precisa se mobilizar melhor para que a proibição seja respeitada. Faltam placas nas praias orientando os motoristas a não trafegarem por ali. Também falta policiamento. O comando da Polícia Militar havia prometido à Prefeitura que reforçaria o policiamento na praia.
Mas ontem este policiamento não apareceu. A AEGostoso – Associação de Empreendedores de São Miguel do Gostoso – solicitou audiência com o prefeito Miguel Teixeira para pedir a agilização destas medidas. A Prefeitura também precisa fechar os acessos que permitem passagem para a praia.
É importante que motoristas que teimam em trafegar na praia – com bugues, motos e quadriciclos – saibam que estão cometendo um crime. Este tipo de crime (lei 7661) está previsto no Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro. A Câmara Municipal de São Miguel do Gostoso está regulamentando a lei para que ela tenha efeito local.
Quando o policiamento começar a ser feito, estes motoristas que insistem em trafegar na praia podem ter seus veículos apreendidos. É importante que a população faça advertências a eles, dizendo que não podem trafegar na orla – se eles insistirem em dirigir na praia, a polícia (084-91907020) deve ser acionada.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Chegou a hora de a população de São Miguel do Gostoso defender nas ruas o fim do trânsito na orla

Por Emanuel Neri
Neste sábado (7/1), a partir das 8hs, todos nós temos um compromisso com o futuro de São Miguel do Gostoso. É que, neste horário, começa a mobilização pela conscientização da população da cidade para que não trafegue com seus veículos automotivos pelas praias de São Miguel do Gostoso.
Tão importante quanto conscientizar a população é fazer com que cada cidadão seja um fiscal da proibição. Cada morador deve alertar os motoristas que estejam trafegando na praia – se eles não retirarem seus veículos da orla, deve-se telefonar para a polícia (084-91907020) informando as placas desses veículos.
A Prefeitura tem colaborado muito com a campanha que está sendo feita para que esta determinação seja cumprida. Mas esqueceu de tomar uma medida fundamental para o êxito da proibição: o fechamento dos acessos pelos quais os veículos que estão na cidade cheguem às praias.
São Miguel do Gostoso tem 11 desses acessos. Se eles não forem fechados – permitindo apenas a entrada de veículos de emergência, como carros da polícia, ambulância e carros de coleta de lixo – muitos motoristas vão continuar desrespeitando a proibição.
A proibição vale para qualquer tipo de veículo automotivo, ou seja, carros tracionados, bugues, motos e quadriciclos. É importante que as pousadas, bares e restaurantes orientem seus clientes a não trafegarem na praia. A maioria dos clientes de quadriciclos se hospeda em pousadas – e usam estes veículos nas praias.
As escolas e guarderias de kit e windsurf também devem dar o exemplo, evitando que seus bugues continuem trafegando na orla. Ontem ainda havia bugues de velejadores circulando livremente na praia. Há dois acessos para que o trânsito seja desviado para as ruas centrais da cidade.
O primeiro acesso está localizado na Ponta do Santo Cristo, exatamente na área de maior concentração de kit e windsurfe. O segundo acesso está no final do bairro do Maceió, no início da estrada que leva ao distrito do Reduto. Por estes dois acessos, os veículos que forem desviados para as ruas podem voltar às praias.
Além de evitar acidentes com banhistas e pessoas que caminham na praia, a proibição do trânsito na orla urbana será um diferencial para São Miguel do Gostoso. O futuro da cidade será seguramente muito melhor. O noBalacobaco sempre foi um aliado desta medida – e dará todo o apoio para que a proibição funcione.

Serviços de celulares e de internet banda larga em São Miguel do Gostoso continuam muito ruins

Por Emanuel Neri
Alguns prestadoras de serviços em São Miguel do Gostoso vão de mal a pior. Os celulares da Claro funcionam precariamente. Dias tem sinal, de má qualidade; outros dias, os telefones ficam totalmente mudos. O serviço de internet de banda larga oferecido pela MgNet também está muito ruim. O mesmo serviço, oferecido pela operadora ACT, também tem falhas.
No caso dos serviços públicos, também há problemas. O serviço de água, por exemplo, melhorou um pouco. Agora não há mais aquele problema em que se passam dias sem que a água apareça nas torneiras. A água tem aparecido, geralmente à noite, fraquinha -não dá nem para subir para as caixas. Mas pelo menos a população não fica totalmente sem água.
O grande problema parece ser mesmo com os celulares da Claro e a banda larga da MgNet. No caso da Claro, o cliente tem a alternativa de trocar de operadora sem perder o número do seu celular. Basta ele optar pelo serviço de portabilidade. O cliente pode ligar no serviço de atendimento de outra operadora –São Miguel do Gostoso também é atendido pela Vivo - e pedir a portabilidade.
Neste caso, a operadora que presta o serviço atualmente é obrigada, por lei, a ceder o mesmo número para que seu celular comece a ser operado por outra operadora. A Vivo tem funcionado bem em São Miguel do Gostoso. Seu sinal na cidade é de Terceira Geração, os chamados 3G, o que facilita o acesso à internet. Quem não estiver satisfeito com a Claro, é só trocar de operadora.
No caso da MgNet, a empresa reconhece que os clientes de seu serviço de banda larga enfrentam problemas em São Miguel do Gostoso. Segundo Djailson Arcanjo, gerente da MgNet na região, a grande concentração de árvores na cidade dificulta a retransmissão do sinal da operadora. Segundo ele, o serviço só vai melhorar quando passar a ser fornecido via cabos.
A MgNet informa que, até o final de fevereiro, pelo menos os clientes que vivem na  avenida dos Arrecifes passarão a contar com o serviço de banda larga por cabos – ao longo do ano, o sinal chegará a outras áreas da cidade. A MgNet diz que vai utilizar os postes da Cosern para que seu sinal de internet, via cabeamento, se espalhe por toda São Miguel do Gostoso.
Segundo a MgNet, este tipo de cabeamento também possibilitará o fornecimento de serviços de TV paga com boa qualidade. A operadora informa que, com o serviço via cabos, seus preços também serão reduzidos. Internet com velocidade de 1 mega, por exemplo, passará a custar R$ 35,00 por mês. Atualmente, a MgNet cobra R$ 49,90 por uma velocidade de 512 kibytes e R$ 93,00 por 1 mega.
Mesmo com estes valores, segundo a MgNet, a internet não chega ao usuário com a velocidade que é contratada. Segundo a empresa, tudo isso será resolvido com o cabeamento da cidade. Bom, vamos aguardar esta promessa -principalmente em relação ao aumento da velocidade e redução do preço -, para ver se o serviço da MgNet melhora.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Compareça neste sábado, às 8hs, à mobilização para proibir trânsito nas praias de São Miguel do Gostoso

Por Emanuel Neri
Este convite é para todos os moradores de São Miguel do Gostoso que se preocupam com a preservação da vida nesta cidade. Ás 8 horas deste sábado (dia 7 de janeiro), todos devem comparecer à mobilização que será iniciada em frente ao prédio dos Correios, na avenida dos Arrecifes. O objetivo é conscientizar os motoristas a não mais trafegarem seus veículos automotivos na orla urbana da cidade.
O trânsito nas praias de São Miguel do Gostoso sempre apresentou alto risco de atropelamentos, em especial de crianças. Muitos motoristas trafegam por ali em alta velocidade, alguns deles embriagados. A Prefeitura e a Câmara aprovaram lei que, a partir deste 7 de janeiro, o trânsito na orla urbana da cidade não mais será permitido. O tráfego nesta área será desviado para as ruas da cidade.
Além do risco de atropelamento, o trânsito na praia também é uma ameaça para o ecossistema de São Miguel do Gostoso. Muitas espécies da fauna e flora local não sobrevivem ao intenso tráfego nas praias. Uma das espécies mais ameaçadas são tartarugas que fazem suas desolvas em áreas próximas à cidade, especialmente no trecho que liga São Miguel do Gostoso à praia de Tourinhos.
Esta semana um casal de turistas que caminhava entre São Miguel do Gostoso e Tourinhos presenciou um ninho de tartarugas (fotos de filhotes) exatamente na rota dos bugues que trafegam nesta região. Seria interessante que todo este trecho fosse proibido para o tráfego de veículos. O ideal é que, depois de entrar na cidade, os veículos continuassem pela estrada, até depois de Tourinhos.
A proibição do trânsito na orla urbana de São Miguel do Gostoso é um anseio de praticamente toda a população local. Mas é importante que cada morador se transforme em um fiscal desta proibição, advertindo os motoristas que estejam dirigindo na praia. Se eles insistirem em continuar ali, as placas dos veículos devem ser anotadas e repassadas, por celular (084-91907020), para a polícia da cidade.
O noBalacobaco participou ativamente da campanha para proibir o trânsito na praia. Quem quiser, pode escrever nos “comentários” do blog, dando placas e, se possível, o nome dos motoristas que estão dirigindo. Está proibido qualquer tipo de tráfego de veículo automotivo nas praias. Isso compreende caminhonetes, automóveis, bugues, motos e quadricilos. A polícia também intensificará o policiamento nas praias.
É importantíssimo que a população assuma esta campanha, comparecendo neste sábado à mobilização e sendo um fiscal para que a proibição do trânsito nas praias funcione efetivamente. Os moradores de São Miguel do Gostoso são os mais beneficiados com esta medida. Sem o trânsito nas praias, não mais haverá medo, sustos e o risco de, a qualquer momento, alguém ser atropelado.

Jaime Lerner pensa o tempo todo em idéias para deixar cidades com melhor qualidade de vida


Por Emanuel Neri
O arquiteto e urbanista Jaime Lerner é capaz de passar o dia inteiro martelando a cabeça para achar soluções pelas quais cidades tenham maior mobilidade urbana e seus moradores convivam com uma melhor qualidade de vida. “Tudo que me dá prazer, tudo que me permite uma boa idéia eu procure criar”, afirmou Lerner ao noBalacobaco.
Acompanhado de familiares, Lerner está passando férias em São Miguel do Gostoso. Frequentador assíduo de restaurantes e bares da cidade, tem feito rasgados elogios à qualidade da culinária local. Também tem elogiado o modelo da cidade de oferecer pequenas pousadas – e não grandes hotéis e resorts – para hospedar os turistas.
Segundo Lerner, este modelo de pousadas faz com que o visitante se sinta mais à vontade, sem estar preso a padrões mais rígidos de hotéis e resorts. Para ele, as pousadas –com maior ou menor grau de conforto – se assemelham ao padrão de moradia da população local. Na sua opinião, é isso que dá autenticidade à cidade.
Lerner é considerado o maior urbanista brasileiro. Durante três administrações, ele transformou a fria e burocrática Curitiba, capital do Paraná, (na foto, em uma estação de ônibus de vidro, cilíndrica, que criou), em uma cidade com padrão excelente de urbanidade e de vida. Hoje o modelo urbano da cidade já foi implantado em 120 cidades em todo o mundo.
O BRT (sigla em inglês para Basic Rapid Transit) é um modelo de eficiência e rapidez de trânsito urbano. Seu modelo de cidade envolve três frentes: mobilidade, sustentabilidade e convivência. Mas Lerner, que também foi governador do Paraná por duas gestões, deixou a vida pública. “Deixei de cuidar de uma cidade para cuidar de muitas cidades”, afirmou. 
Aos 74 anos, Lerner tem um lema: “Quem cria nasce todo dia”. E Lerner não para de criar. Uma de suas últimas paixões é um carrinho elétrico, chamado Dock-Dock, com velocidade máxima de apenas 25 km/hora. Segundo ele, o carro é para conviver – ou também conviver? - com a bicicleta e até com o próprio pedestre. Tem 60cm de largura, 1,38m de comprimento e 1,50m de altura.
O Dock-Dock -a montadora francesa Renault já manifestou interesse em fabricá-lo -  é um veículo que não terá dono. É para ser usado de forma compartilhada em estações de ônibus e metrôs de grandes cidades. A pessoa deixa o carro em casa e utiliza o mini carro para se deslocar entre uma estação e outra.Com isso, diminui-se o trânsito das cidades.